Arquivo mensal: Dezembro 2007

Ah poixéé.

As coisas engraçadas são aquelas que não têm piadinha nenhuma.
Quando alguém nos mostra as garras, geralmente não achamos piadinha nenhuma, mas depois, a coisa só dá mesmo é para rir. E como eu gosto de me rir. Que hei-de fazer? É mais forte do que eu.

Há coisas fantásticas, não há?

Na sequência da última aventura com a gnr, hoje foi dia de ir à loja do cidadão tratar de mudar a residência do BI e da carta de condução… não vá a gnr tecê-las e eu apanhar outra multa, daquelas… mas adiante. A loja do cidadão não existe. Aquilo é um amontoado de serviços mal dimensionados. Tem uns que estão às moscas, outros, como a DGV que tem dois funcionários e um monte de pessoas à espera. Primeiro tratei do BI e correu tudo muito bem, depois, bem, depois foi o c…… caos. Tinha duzentas e não sei quantas pessoas à minha frente, eram onze meia e a hora prevista para vir a ser atendido eram as dezassete e vinte e cinco… não dá para raciocinar, por isso fui almoçar, na perspectiva de voltar lá depois.
Voltei. Azar do c…… caos e tinha perdido a vez por dez números, mas ainda eram quinze horas, o que me leva a pensar que as estimativas nunca são de fiar…
Claro que me fui embora, de seguida, porque aquilo estava mesmo um caos.

Post cheio de asneiras, por isso…

Há dias fodidos.
Hoje até começou por ser um belo dia. Foi a festa da escolinha das minhas filhas. A minha senhora foi lá fazer uma brincadeirinha e as coisas estavam a correr bem.
Depois, bem depois, é que foram elas. Iamos os dois no carro buscar as miúdas quando passamos por uma operação de controle e verificação da gnr, dos territoriais.
Comento: com a minha sortinha, vão-me mandar parar… dito e feito.
O que é que nos sai na rifa. Um paspalhão de um jovem gnr (era assim que os outros o tratavam: jovem…) que estava mortinho por mostrar serviço. Tinha ar e cara de doberman, a sério, tinha mesmo aquele ar raivoso de quem vai morder a qualquer momento.
Claro que tinhamos que levar uma multa porque não tínhamos o carro em condições, isto é, a inspecção dos quatro anos tinha de ter sido feita há um mês atrás. Nada a fazer.
O que nos deixou nervosos foi o facto de estarem para ali a chatear as pessoas que vinham de trabalhar. Depois foi o ar do palerma que queria mostrar serviço à força. A seguir foi a espera de quase uma hora que o mesmo palerma demorou para passar o auto e quando nos foi levar, já não conseguia ler o que tinha acabado de escrever.
Enfim, estragou-nos completamente o Natal pois duzentos e cinquenta euros, nesta altura do campeonato, fazem mesmo muita falta e juntando aos quinhentos e tal da operação e tratamento da Vanessa, não há bolsa que aguente.
Foda-se.