Quando ia trabalhar, pus-me a pensar.

Eu não me posso queixar da vida que levo. Posso mesmo afirmar que levo uma bela de uma vida. Não quero ser injusto com as outras pessoas, principalmente as que conheço pessoalmente, mas que a minha vida é a mais bela de todas, lá isso é. Posso nunca ter guito, porque não tenho mesmo, mas tenho umas belas filhas saudáveis, uma bela de uma senhora que não pára de me surpreender, uma bela de uma família que gosta de mim, umas amigas belas e uns amigos belos. Por tudo isto já me poderia considerar o mais sortudo, mas ainda há mais. Posso sempre pegar na bela da Scarabeo, meter os belos dos phones do belo do ipod e arrancar para o trabalho a fazer o que? A ouvir os belos dos Depeche Mode. Eu sei, são um pouco antigos, mais são intemporais.

Com tudo isto de belo, de que é que eu me posso queixar?

Deixar uma resposta