Eu tenho vida própria, mas…

20081113-87732-1Tenho acompanhado esta coisa dos professores como se estivesse dentro de um aquário. Quero com isto dizer que, do meu aquário, vejo muita confusão cá fora, muita agitação e até já senti alguns encontrões que quase entornavam a água toda. Vi até algumas caras coladas ao vidro do meu aquário, deixando-o cheiinho de gordura misturada com pasta de maquilhagem, que me deixaram com vontade de lhes bater pela figurinha que estavam a fazer. Enfim, já vi muita coisa e ouvi algumas barbaridades mas continuei sempre a nadar tranquilamente nas águas do meu aquário, tentando não me deixar abalar pelo que se estava a passar lá fora. Continuei com a minha vida, a fazer o que sempre fiz, com algumas alterações que me foram pedidas, mas que não me afectaram.

Não gosto pois de sindicalistas. Nem tão pouco do seu discurso. Não me revejo minimamente naquelas criaturas. Tenho tanta legitimidade em dizer isto, como eles terão a deles. A maior parte dos sindicalistas que temos são professores titulares? Não terão dificuldades financeiras? Será que as greves os afectam? Onde estavam eles quando foi aprovado o novo estatuto da carreira docente? Aí é que deviam ter sido intransigentes. Mas não foram. Criou-se uma verdadeira divisão entre professores, meramente administrativa, com muitos incompetentes nos lugares cimeiros. Pode parecer inveja, mas não é, apenas a constatação de uma evidência. Apenas a constatação de que, como eu, milhares de professores foram deliberadamente prejudicados nas suas vidas. E agora este barulho todo por causa de uma avaliação idiota? Que é realmente idiota, mas que é a consequência do que foi aprovado anteriormente. O Ministério tem uma máquina de markting por trás e não será nunca com o amadorismo dos sindicalistas que o rumo será invertido, apesar de hoje ter vislumbrado o primeiro sinal de inteligência quando o homem do bigode, parecido com a mãe, abandonou a reunião com a ministra. Pela primeira vez, são eles que estão zangados e vão ter que correr atrás dos sindicatos para tentarem chegar a algum lado. Claro que tudo isto são pormenores de uma guerrinha que à maioria dos professores não interessa, mas pelo menos significa que com esta história toda, alguma coisa podem ter aprendido.

1 thought on “Eu tenho vida própria, mas…

Deixar uma resposta