Nada a que não esteja habituado.

att00081Acabei de ver o grande jogo que o fêcêpê fez na Turquia. Este sim, é o fêcêpê a que estou habituado: com talento, segurança e capacidade de sofrimento para saber controlar o jogo. Vamos lá ver o que irão dizer os jornais desportivos, pela manhãzinha. Aposto que para os chefes de redacção já é tão normal, mas tão normal o fêcêpê ultrapassar esta fase dos grupos, que nem sequer se vão dar ao trabalho  de o referir devidamente. Mas que eu gostava de ver as carinhas deles, lá isso gostava.

2 thoughts on “Nada a que não esteja habituado.

Deixar uma resposta