As pombinhas.

20081114-87839-6Para não variar, nestes dias, fala-se do frio. Do frio que se tem sentido em Portugal. Convém falar do frio, para não se falar de outras coisas. É uma questão psicológica e, dizem os livros, que tudo pode parecer mais ou menos negro, dependendo da perspectiva. Por falar em perspectiva, hoje tive uma visão da realidade bem diferente da habitual. Fui ao telhado da minha casa. Aquilo é alto, pelo menos para mim que tenho medo das alturas, e dá-nos um ângulo de visão das coisas, que nos rodeiam, bem diferente. Então quando descola um avião, tipo airbus 320, fica-se parado em cima das telhas a vê-lo levantar vôo. Mas acontece que eu fui ao telhado, não para ver os aviões, ou os carros a passar, mas antes para limpar as caleiras. Tenho umas amigas, de penas, a fazerem ninho nas ditas cujas. Eu sei que elas estão mais abrigadas entre as telhas e a caleira, mas a quantidade de lixo que elas levam para lá (tirei um balde cheio de terra, paus e diversos artefactos…) põem em causa o normal correr das àguas das chuvas, o que equivale a dizer que a àgua pode entrar para dentro do sotão, o que não convém muito.

Ainda me diverti lá em cima pois apanhei duas pombas fêmeas, que não conseguiram fugir e ficaram presas. Peguei nelas e ainda pensei no belo do arroz que a coisa daria, mas, pensei melhor, e atirei-as à liberdade, mas sempre a rogar-lhes pragas para não tornarem a fazer ninho nas minhas caleiras. Se a coisa fosse lá com pragas é que era bom, mas não senhor, vou mesmo de ter que forrar aquele espaço com uma rede, por forma a impedi-las de fazerem o ninho. Vou ver se faço isso amanhã, que tenho um tempinho livre (parece que só vou ter duas aulas assistidas, e isso dá-me tempo para conseguir respirar…) e, espero eu, queria ver se não caía pelo telhado abaixo.

Ainda dizem que eu não sou amigo dos animais, mas não é verdade pois, para além de não ter comido as pombas, não comprei nenhuma arma de chumbos para as traçar, nem sequer comprei uns aparelhos de ultra sons que as deixam nervosas e a voar que nem umas tontitas. Sou mesmo amiguinho.

Deixar uma resposta