Ai as minhas costas.

77

Não sei o que se passa comigo. Ando todo partidinho. Este corpinho deixou de funcionar como eu gosto. Ando com uma dor num braço há dois anos. A coisa melhorou sensivelmente desde que me começou a doer o pescoço… passou de uma para a outra… não há médico que me valha e pastilhas já não tomo mais, a não ser umas de zinco, para as articulações, como os velhotes…

Não gosto nada destas queixinhas mas de vez em quando também tenho direito. Aliás, estou a chegar a uma fase da minha vida em que estou a perder a paciência para ser condescendente com quem não tem o cuidado de saber observar o que existe à sua volta. É por isso que vou ter de mudar algumas coisas na minha vida. Para que não hajam dúvidas,  quando digo este tipo de alarvidades, estou-me a referir à minha vida profissional. Não estou nada feliz com o meu trabalho. Não estou nada feliz como tenho de lidar com algumas coisas. Acho que se quebrou o encantamento. O encantamento que sempre me fez mover diariamente para o meu local de trabalho. Como é evidente, não vou estar a entrar em pormenores escabrosos, mas eu sei as razões dessa quebra de encantamento e também sei que devo assumir a minha quota parte das culpas, por isso e por muito mais, não me sinto injustiçado, perseguido, mal falado ou qualquer outro atributo menos aconselhável. Simplesmente estou cansado e se calhar a precisar de um intervalo para respirar.

2 comentários a “Ai as minhas costas.

  1. admin Autor do artigo

    Em Angola é muito Kuduro… ia ficar pior das costas, de certezinha absoluta:)

Deixar uma resposta