Para o que me havia de dar.

Hoje fui correr. Pela segunda vez, em três dias. Começo a achar um exagero. Por este andar ainda vou acabar a correr todos os dias. Não pode ser. O exercício físico faz muito bem, e coisa e tal, mas não posso exagerar, apesar de achar que sou um ser humano muito dado aos exageros. É que nesta idade não me posso permitir a gastar toda a minha energia em corridas e coisas afins. Não pode ser. Já sei que logo à noite vou estar todo partidinho e vou cair na cama que nem um patinho. Não pode ser. E então a minha rica senhora? Vai ficar a ler um livro, comigo a nanar ao lado. Não pode ser. Bem sei que a habituação ao exercício custa no início e que depois é sempre a rolar, mas não sei não, ainda me rola uma perna pela rua fora e as coisas podem complicar-se. Tirando as cigarradas e os copos de vinho, não faço grandes estragos neste belo corpinho… por isso continuo muito desconfiado desta súbita vontade de fazer exercício físico violento.

4 thoughts on “Para o que me havia de dar.

  1. Tomás

    O bicho está lá, acordou no domingo com a nossa corridinha.
    E dizias tu que não conseguias correr na terça……
    Muito bem! Venha a próxima.

Deixar uma resposta