Esta custou.

Depois de o ouvir a minha vida muda. Acontece sempre a mesma coisa. Já é a quarta vez que tal sucede. Começo a interrogar-me se isto é normal? Claro que não quero “acradetar” que a culpa é dele. Tenho mesmo de “acradetar” que o mérito é todo do nosso menino. Menino é uma forma carinhosa de o tratar. Em contraponto ao outro, o que “acradeta”, o nosso menino pode ter só trinta e três anos mas é de uma competência e de um rigor muito acima daquilo a que o português está habituado. Quando falo em português… tenho uma leve tendência para o associar ao adepto do clube das gaivotas, mas depois ponho-me a pensar, a pensar, e chego a uma outra conclusão, também ela muito leve, mas autêntica. É que Portugal não é só Lisboa, é todo um mar de gente que pensa, trabalha e  luta por ideal. Está bem, podem dizer que acabei de fazer cinquenta anos e que estou a ficar mentamente obstruído, ou o que acharem mais adequado para a minha pessoa, mas depois de constatar tudo aquilo que os outros não querem ver, só me apraz dizer: um grande bem haja para o Vilas Boas, ele merece-o. Ponto. E os outros que continuem a “acradetar”.

Deixar uma resposta