Arquivo mensal: Setembro 2012

Para que é que eu fui ver o meu correio electrónico…

Chama-se Mona. Mona 2. Pressupõe que tenha existido um outro chamado Mona. Mona 1. Esse, não conheci. Este, o Mona 2, foi-me dado a conhecer virtualmente através da newsletter da Lelo. Se eu fosse o nosso presidente Aníbal, diria que se trata de um ajudante. Eu posso sempre acrescentar que estes ajudantes são muito mais do que meros ajudantes. O nosso Aníbal é um curto de ideias e não percebe nada destas cenas.  O Mona 2 é um autêntico serviçal, mordomo ou mestre de cerimónias mas com muito design. Só de olhar para ele conseguimos perceber o porquê da sua existência.

Depois temos o Ina. Ina 2. E a conversa é a mesma. Só posso dizer que o Ina 2 é um modelo de sonho.

Olá, eu sou o Rui. Gosto de amar! E você?

Independentemente da crise, das manifestações, dos insultos nas redes sociais e outras cenas do género, a vida continua. Bem sei que haverá muita gente que nem sequer consegue pensar que há vida para além das necessidades básicas que não consegue assegurar.Temos que ser comedidos com a ostentação, é certo, mas não podemos deixar de viver. É cruel dizer isto, mas a vida sempre foi cruel. Cada um terá a sua maneira de viver a vida. E sem dinheiro também é possível viver a vida. Há que redefinir as nossas prioridades. Há tanta coisa boa que podemos fazer sem gastar um tostão. Coisas simples da vida, que nos dão prazer. Um exemplo? O mais básico? Amar! Haverá outra “coisa” melhor do que amar? Não creio. E é tão fácil amar! Ainda por cima não custa nada! O único custo é ter disponibilidade mental! Amem, por favor, amem muito!

É que, com ele, temos sido tão felizes…

Sexta feira. Fim da tarde. Um belo copo de vodka para relaxar e espairecer. Depois desta semana complicadita, estou mesmo a merecer esta vodka polaca, cheirosa e saborosa. Entrando neste transe relaxado (não me perguntem o que isso é…) só me dá para pensar em futebol. É o melhor assunto em que se pode pensar para… não pensar em nada. Pelo menos até ir fazer o jantar… Claro que, nestes momentos futebolísticos da minha vida, só me posso debruçar sobre as partes cómicas. O futebol é isso mesmo, cómico e só merece uma abordagem nesse sentido. Há outras coisas bem mais importantes com que nos devemos preocupar, mas essas não são para aqui chamadas, pelos menos até ter que ir fazer o jantar.

Posto isto, que já não foi pouco, só me apraz dizer que o clube das gaivotas, das verdadeiras gaivotas, vai de mal a pior. Ontem foi noite de grande confusão lá para aquelas bandas da freguesia… qualquer coisa dos moinhos… Houve uma assembleia geral que não correu lá muito bem. As contas do clube não foram aprovadas, houve assobios e insultos ao presidente, tendo este que sair escoltado pela sua segurança privada. Huggg. Não percebo como estas coisas acontecem naquele que é o maior clube português. Como também não percebo como é possível que rebente um petardo dentro do pavilhão onde decorria a dita assembleia geral. Tinha a ideia que era convicção geral que essas coisas só sucediam cá para cima, no clube dos porcos, como gentilmente as gaivotas apelidam os adeptos do fêcêpê. Não fazia a mínima ideia que tal pudesse suceder… na capital do quinto império. Huggg.

Saltando estes pequenos pormenores, que agora não interessam nada (saudades da outra, que não é a Júlia Pinheiro, mas de quem não me lembro do nome…), o que me aborrece nisto tudo é saber que o presidente do clube das gaivotas ficou triste, ferido e que está cansado. Mais preocupado fico quando o senhor revela que está ferido no seu orgulho com todos estes acontecimentos e que pondera antecipar as eleições… Será que vai ser novamente candidato? Apesar de tudo? Será que vão conseguir encontrar um candidato que preencha os requisitos que são necessários? Muito sinceramente, espero bem que não apareça mais ninguém a concorrer e apenas ele seja o candidato. Ele e só ele. Pelo menos assim, terá uma maioria esmagadora. Continuará a ser este senhor a bandeira das gaivotas. A bandeira desfraldada, ao vento, como na nau Catarineta, à descoberta de novos mundos…

She`s back!

E eis que a minha rica senhora regressou. Bem disposta, a falar pelos cotovelos (como de costume), muito bem impressionada com a Irlanda e, pasme-se, com vontade de ir para lá viver. Diz ela que aquele país é a minha cara e eu imagino que seja principalmente pela parte do cabelo ruivo…

Já estou como o outro… é complicado… começar uma nova vida, num outro país, com esta idade é… complicado… pode ser que alguma das minhocas se entusiasme e faça vida por lá ou noutro lugar qualquer, para poder lá ir, de visita…