Arquivo mensal: Abril 2013

Passados três dias.

422329_2677015172737_1476966342_32022903_520772280_n

De uma vez por todas, festejar dias especiais vai ser abolido da minha vida. Está a ser recorrente na minha vida acontecerem coisas muito más quando festejo qualquer coisa muito boa. Este ano voltou a suceder. Não estava à espera e foi difícil. Não consegui responder a mensagens nem atender telefonemas. A todos peço desculpa mas não foi desconsideração, foi mesmo incapacidade. A vida continua para a frente, diferente mas com a certeza de que vale sempre ser vivida.

Dia oito de abril de dois mil e treze.

foto para livro

Hoje é o meu aniversário. Apetecia-me fazer uma retrospectiva… expor a minha vida, essas coisas. Sempre são cinquenta e dois anos. Vividos, na sua grande maioria, com intensidade, com vontade de viver. É a única coisa que eu tenho a certeza: que os vivi da melhor forma possível, com muita vontade e sempre respeitando os outros e a mim (pronto, fiz umas borradas pelo meio… mas isso agora não interessa nada…). É mais um dia em que olho para quem me rodeia mais intimamente e só posso estar muito agradecido pela família que tenho e pelas pessoas amigas que vão sempre acrescentando algo mais à minha vida. É para eles o meu sincero obrigado.

Vou comer um ovo de chocolate que explode, a ver se fico mais animado.

PixMix528-img011

Nem todos os dias temos assunto. Há dias em que não se passa nada. Hoje foi um desses dias. A única coisa que fixei foi o terminar de mais um desenho e o dar início a um outro. O resto foi para esquecer. Foi um dia que não acrescentou nada. Foi pena mas é assim a vida. Nem sequer ouvi as notícias como deveria, apesar de ouvir na rádio que o nosso homem que corta a relva se tenha demitido. A única coisinha que me apraz dizer é que finalmente o homem se pôs a andar. Aliás, foi praticamente obrigado pelo resultado das investigações sobre a “sua licenciatura”. Mas isso não interessa nada, o que interessa mesmo é que se foi. Finalmente.

E é isto. Não dá para mais.

Ps. A Lola ainda não teve cachorros. O leitinho das maminhas ainda não desceu… talvez amanhã.

Ps2. Vou tentar melhorar. Obrigado.

A burla na saúde.

PixMix519-img007

Pois é, vieram aqui parar por causa do título. Certo? Mas issssso, com cinco esses, está no post anterior. Desloquem-se até lá. Obrigado.

Ps. Eu sei que até a fotografia é um pouco difícil, difícil de leitura, mas não consegui melhor. Peço desculpa.

Ps2. Vou tentar melhorar. Obrigado.

Nem sei muito bem que título… hei-de “colocar”. “Colocar” pode ser bom.

MIX520-img26

Como não vai ser hoje, entretenho-me a ler umas notícias. Da actualidade… portuguesa… que a estrangeira é muito chatinha porque fazem e desfazem como muito bem lhes apetece. O que está a dar é actualidade portuguesa, e pronto. Como vivemos num país recheado… de cromos (assim parecidos comigo) há sempre matéria para nos divertirmos. Querem melhor? Eu não quero! Gosto de me rir e divertir com a nossa desgraça. Mas só porque eu também estou enfiado até às orelhas na desgraça portuguesa. Faço parte.

Claro que ao classificar-me como um desgraçado português, não quero dizer que estou enfiado até às orelhas, orelhas, orelhas da merda portuguesa. Não, não estou metido em cenas obscuras. Em cenas que prejudicam terceiros. Em cenas que me possam envergonhar (sim, essa cena judaico-cristã que nos enfiam pela goela abaixo desde pequeninos…). Não, não sou assim tão interessante para aparecer nas capas dos jornais por ter feito isto ou aquilo, prejudicando este ou aquele. Digamos que sou um desgraçadinho, mas fraquinho. Digamos também que sou um desgraçadinho sem dinheiro para fazer algumas coisas que gostaria muito de fazer. Tal e qual milhares de outros portugueses, também eles, desgraçadinhos.

Adiante.

Enquanto não vou directo ao assunto, vou-me entretendo a fazer quatro coisas ao mesmo tempo. Sim, não é difícil, mesmo para um desgraçadinho português. Estou com os phones enfiados e em altos berros. Vou comendo uns ovos de chocolate perfeitamente… fora do comum… pois explodem na boca. Sim, explodem! Nunca tinha comido nada assim e, se os estou a comer, é porque as minhocas cá de casa não aguentaram com as explosões… Ficaram para mim. Depois vou bebendo um irlandês para ver se consigo fazer a digestão. Para tentar moer as asinhas de frango que fiz só para mim ao jantar… Eu sei, é nojento comer asas de frango assadas… mas foi o meu jantar… que o resto do pessoal cá de casa não gosta nada destas modernices. E depois, para finalizar, tenho que pensar. Sim, pensar. Pensar no assunto que vou escrever e como o escrever.

Quando tenho dúvidas, aumento o volume.

E vou directo para o assunto.

Mais de cem milhões em burlas.

Cem milhões de burlas só no sector da saúde.

Cem milhões é muita fruta.

Cem milhões dava para criar muito trabalho.

Trabalho para pessoas que não o têm.

Fico a pensar no assunto e fico chocado. E soletro. A i-n-d-ú-s-t-r-i-a  d-a  s-a-ú-de  c-o-n-s-e-g-u-e  g-a-m-a-r  c-e-m  m-i-l-h-õ-e-s  d-e  e-u-r-o-s.

Não resisto a dizer um palavrão, em letra grande, sem soletrar: PUTA QUE OS PARIU!

Não consigo perceber os pormenores. As burlas devem estar nos segredos dos deuses, ou pelo menos as investigações estão, e eu não consigo ter a percepção dos autores… se são médicos, enfermeiros, farmacêuticos, industriais dos remédios ou simples administrativos. Não consigo saber nem quero saber. Não altera em nada o grau de choque. Se me puser a pensar no assunto… fico… apreensivo e descrente. A saúde é o assunto que mais assusta o ser humano. Vigarista ou não. Aldrabão ou não. Filho da puta ou não. Todo o ser andante, pensante e… risante… tem medo da morte. A morte é um assunto sério, para todos nós. Vá-se lá saber porquê, mas é. E os seres humanos, os tais que riem, pensam e andam, têm um respeito desmesurado por aqueles que lidam com a área da saúde. Verdade? Alguém desconfia ou não concorda que assim seja? Não me parece. Todos nós gostamos de apanhar alguém que nos conceda um raio de atenção quando estamos doentes ou precisamos de cuidados de saúde. Não estou a inventar nada, absolutamente nada. Damos demasiada importância a quem lida com os assuntos da saúde, da vida humana. Convém não esquecer, e situar, que estou a falar do desgraçadinho português, aquele que é parecido comigo. Porque no estrangeiro… a coisa pia mais fino. É, portanto, um desconsolo. Desconsolo é uma expressão muito… desconsolada, sem sal… Eu fico mais com aquela sensação que são todos iguais aos demais desgraçadinhos portugueses. Que aquela treta toda dos valores de auxílio ao próximo é uma grande… treta. Eu até consigo perceber que as pessoas decidam escolher uma profissão porque lhes permite ganhar muito dinheiro, é perfeitamente legítimo. Quem não gostaria de viver numa bela casita com piscina? De ir trabalhar num belo Panda ou ter uns belos cortinados para usar a seguir àquilo? É um sonho para muitos desgraçadinhos portugueses ( eu fico incluído se os cortinados forem de linho). E ficamos a pensar que tudo isto é muito bonito. Como há outras coisas, também bonitas, mas depois não conseguimos tolerar que  a bota não bata com a perdigota. Não conseguimos perceber que nesta área exista uma larga percentagem de pessoas que só pensem no lucro imediato e, mais grave do que tudo, que sejam uns ladrões. Ou há alguém que ache que isto é normal? Cem milhões? Não me parece!

Mais olheiras, esperam-se…

IMG_7929

Ainda não vai ser hoje. Desconfio que será na sexta. De sexta para sábado. A Lola, a nossa Westie vai dar à luz. Não sei quantos cachorros virão para este mundo mas sei que irão ser muito bem tratados. Não quero nem posso ficar amarrado aos cachorros pois já tenho dois e chega… mas quem os irá receber, tenho a certeza que os fará muito felizes.