Não é um comentário político. É mais um desabafo!

Mix632-img024

É verdade que já decorreram uns dias mas ainda vou muito a tempo. No passado domingo, houve eleições, certo? Também houve uma data de distraídos que não sabiam que havia eleições e não puseram lá os pés. Foi pena. Sou de opinião que todos deveriam lá ir, passar por lá, como quem não quer a coisa… e expressar a sua opinião… Eu fui de duas maneiras… Fiz parte da mesa eleitoral e, claro está, fui votar na minha vez. Já são as segundas eleições em que faço parte de uma mesa eleitoral. A primeira vez foi nas eleições autárquicas e fiquei como vice-presidente. Desta vez custou-me imenso lá estar. Na véspera tinha estado naquele encontro maravilhoso com os amigos do CAP e aquilo durou até tarde… com os respectivos excessos… Acabei por dormir apenas três horas pois tinha de comparecer no local das eleições às sete da manhã… e lá fui eu, meio a dormir, meio acordado, meio sorridente e outro tanto a cambalear… porque era necessário executar todos os procedimentos para que as eleições decorressem com toda a normalidade e dentro dos parâmetros legais. E assim aconteceu. Não houve um único incidente e no final ficou tudo em conformidade.

Mas desta vez custou. Calhou-me ser escrutinador. Para quem não sabe, é a pessoas (no caso duas) que dá “baixa” nos cadernos eleitorais das pessoas que vão votando e que vai somando o número de votos para que as contas batam certo no final. Não é uma tarefa complicada mas é necessário estar atento. E desta vez custou porquê? Porque não apareceu quase ninguém! E como o ritmo era muito lento… o sono ia fazendo a sua aparição… até que… lá aparecia uma pessoa para votar… Foi quase sempre assim e, por conseguinte, muito aborrecido. É um trabalho cansativo, realizado a um domingo, super mal pago (cinquenta euros por catorze horas de trabalho) mas que tem de ser feito. E se é um trabalho que tem de ser feito é porque se pressupõe que será um trabalho para beneficiar alguém… E é triste verificar que foram poucas as pessoas que por lá apareceram… nem que mais não fosse para escrever uns insultos divertidos nos boletins de voto (e ainda tivemos uns quantos…).

Esta cena faz-me lembrar aquelas gajas que, quando estão com as amigas, dizem à boca cheia que sexo anal nem pensar e depois chegam a casa e “anda cá meu lindo” que é um ver se te avias. Só que ao contrário e devidamente contextualizado, ou seja, criticam, criticam, mas depois quando chega à hora da verdade, não saem do sofá e não aparecem nos locais de voto…

Por isso, não se queixem!

Deixar uma resposta