Provavelmente…

Nove meses se passaram, mais coisa menos coisa, desde que escrevi por estas bandas. Tem sido recorrente. Ao longo dos dois últimos anos não tenho tido disponibilidade mental para escrever, seja lá o que for. Não é que tenha deixado de pensar nas coisas, no mundo, mas fui perdendo o hábito e agora estou como o tolo no meio da ponte… acabo com isto ou continuo?

Logo se verá!

Para já vou escrevendo e no final do texto… Logo se verá!

É uma coisa que eu gosto de fazer. Empurrar com a barriga para a frente e resolver o que tenho que resolver quando me apetecer. Eu sei. É um defeito! Mas, se fosse só esse… seria bem mais feliz. Não é que não seja feliz. O que me aborrece é chegar a esta idade (quase sessenta anos), perceber que o caminho ainda está longe e que a minha condição de ser humano é apenas sofrível. Tenho a sensação que o tempo me começa a fugir. E não, não é nenhuma crise de meia idade (avançada)… é antes ter a noção de que ainda perco muito tempo com coisas e assuntos que não interessam nem ao menino Jesus. Esse mesmo. O que nasceu de uma senhora virgem (e não se zanguem comigo porque não fui eu que criei essa história… é assim e não se fala mais no assunto). Já dizia o tal senhor que nos devemos amar. Na parte da multiplicação… acho que devemos ter mais calma… aprender a contar pelos dedos…

Lá está. A mania de contextualizar tudo e de querer ter um discurso coerente leva-me ao devaneio. Não o sexual, que seria bem mais engraçado, mas àquele devaneio que só nos faz perder tempo nesta vida. E acreditem que eu sou bem objectivo. Agora imaginem se eu não fosse objectivo. Em vez destas catorze linhas de introdução já estariam escritas umas vinte e oito ou coisa que o valha. O interesse no raio das linhas seria o que cada um lhes quisesse dar mas, assim, eu sempre posso aligeirar o sofrimento da leitura.

É verdade. Vou fazer aquilo que toda a gente gosta de fazer.

Já perceberam?

Claro!

Vou falar da minha vida!

Quem não tem um espelho em casa? Daqueles bonitos. Daqueles que são quase como que uma alma gémea e para o qual falamos baixinho (não vá a pessoa que acorda todos os dias do outro lado da cama ouvir) e nos convencemos que somos mesmo do outro mundo…

Passamos a vida a querer ser ouvidos.

E eu não sou diferente…

Quer dizer, não exageremos porque como eu não há mais ninguém!

Eu sei. Por vezes comporto-me como um verdadeiro adolescente tardio. Já sem borbulhas mas com a mesma vontade… daquilo… da eterna descoberta… daquilo… de poder falar… daquilo…

Obalhamedeus!

Eu comecei o texto a pensar que ia escrever sobre a minha próxima viagem… e estou a escrever sobre… aquilo… a pensar… naquilo… e com a consciência de que devo concentrar-me naqueloutro…

Ajudai-me senhor que eu quero voltar a trilhar o caminho.

Sim, eu vou fazer uma viagem.

Vou a Cracóvia. Cumprir uma vontade com muitos anos. Não foi difícil convencer os personagens que habitam cá por casa. Muito pelo contrário. Sempre quiseram poder lá ir. O morcão era mesmo eu que não me decidia a marcar tudo (mas o morcão, por ser demasiado objectivo, fazia contas à vida e só agora é que foi possível marcar e pagar tudo…) mas lá vamos nós.

Está-se mesmo a ver o que lá vamos fazer… Não vai ser só divertimento. Claro que vamos lá para visitarmos os campos de extermínio nazis porque é bom que nunca esqueçamos o que é que aquelas pessoas fizeram. Sim. Eram pessoas como nós, que foram levadas num movimento colectivo de anormalidade e histeria e que deixaram vir ao de cima o que de pior tinham dentro delas. A não esquecer!

Este é o lado sério da cumbersa… O meu lado sério. Que é pequeno. Todo o resto do meu ser não é sério. Não é para ser levado a sério. Só me dá vontade de rir. Mas que posso eu fazer? Já lá vão cinquenta e sete linhas de pura objectividade…

Tentando.

Segunda feira, da parte da tarde, é quando eu tenho sossego. Estou no escritório. Pareço um homem a fazer o que quer. As adolescentes estão a estudar? enfiadas nos respectivos quartos. A minha rica senhora (sim, um termo que já não utilizava há já algum tempo) está a trabalhar e eu? eu aqui a escrever palermices. Com prazer.

Por falar em prazer. Já deu para perceber que as imagens não são as do costume… acabaram-se as imagens sobre… aquilo… por falar… naquilo…

Deixar uma resposta