Golo?

20111106-186162-9

Dá-me a impressão que anda meio Portugal completamente tresloucado com o futebol. Eu não sou rapaz de rupturas. Não gosto de ser desmancha prazeres. É uma coisa que me aborrece. Se as pessoas gostam disto ou daquilo e eu não gosto… que se há-de fazer? Eu não vou ser o ranhoso que vai achar que é mais do que os outros só porque não tenho nada a ver com o assunto. Não vou ser eu que vai alimentar a coisa… nem para o bem nem para o mal. Para ser sincero, quero lá saber do futebol nacional, ou mais concretamente, da selecção nacional. Não quero mesmo saber! Aliás, quero é que eles vão dar uma voltinha ao bilhar grande (de preferência àquele em que o fêcêpê foi campeão nacional…). E é muito fácil para mim sustentar esta ideia. A de que estamos a sobrevalorizar uma data de jogadores da bola que, basicamente, nunca ganharam nada e que têm a mania que são os reis e senhores deste belo país à beira mar plantado.

Não consigo perceber este histerismo todo à volta de vinte e três personagens, mais uma espécie de tecnológico que errou na profissão e uma verdadeira procissão de personagens que nunca souberam fazer mais nada…

E isto não rigorosamente nada que ver com o primeiro resultado dos rapazes portugueses que queriam dar uns chutos na bola. Não consigo compreender as entrevistas, os repórteres fora deles, as aberturas de telejornais, as continuadas capas de jornais, enfim, um exagero! E depois pensamos melhor no assunto e percebemos que os tipos da bola nunca ganharam nada. NADA! E depois continuamos a pensar sobre o assunto e percebemos que temos campeões no atletismo. ATLETISMO? Sim, é verdade, no atletismo! Todos nós sabemos que o atletismo é a modalidade desportiva em que Portugal obteve mais êxitos. Não tem a mínima comparação! E andamos nós (salvo seja, que eu não dou para este peditório…) a idolatrar futebolistas… dirigentes desportivos do gabarito de um João Pinto… ou seja lá o que for…

Não tenho paciência e quero que eles venham já para casa. Sempre ficam reduzidos à sua insignificância e… mais baratinhos ao país…

Estou a pensar em utilizar o ramo todo, de uma só vez!

tumblr_litvxqfu901qhico7o1_500

Há mais de um mês que não escrevo nada por estas bandas. Se não for um mês… é quase. Não é por nada mas nesta altura do ano costuma ser assim… muito cansaço e pouca energia para escrever seja lá o que for. E na parte do seja lá o que for eu estou à vontade, muito à vontadinha… pois o que escrevo nunca faz sentido com… nada.

Ah, como eu gostava de conseguir transformar este blogue num diário. Eheheheheh, sim, um diário! Depois de velho os diários ganham uma nova vida… A vida das pessoas mais velhas são engraçadas. As pessoas mais velhas têm taras e manias. Querem alguma coisa mais engraçada do que as taras e manias de uma pessoa mais velha?

Por exemplo:

O meu drama diário (e a palavra drama está aqui com toda a intencionalidade) está centrado na forma como hei-de resolver a falta de azeitonas para acompanhar o bacalhau à bráz que vou fazer para o jantar. A resposta pode parecer fácil. Do género: mete o rabinho no carrinho e vai fazer as comprinhas. Fácil, não é? Pois! Mas a mim não me apetece ir às comprinhas. Estou há quinze dias a ouvir os Abba nos poucos tempos livres que vou tendo e não me apetece nada mesmo parar com esta maluqueira revivalista. Não me apetece, pronto!

Ok, e as azeitonas?

Não quero saber! Ontem comprei um raminho de salsa enorme, já a pensar no bacalhau à bráz que vou fazer hoje. Podia ter comprado as azeitonas, ao mesmo tempo. Podia. Mas tenho a mania (dá para perceber a mania…?) de comprar as azeitonas no próprio dia em que faço o raio do bacalhau à bráz… e agora deu nisto… Recuso-me a sair de casa para ir comprar as insignificantes das azeitonas.

E é isto!

É nisto que eu quero tornar o meu blogue!

Porquê?

Porque eu quero!

Afinal já são nove anos a escrever aquilo que os outros querem ler…

E não, não vou deixar de colar umas fotografias menos próprias… (essa é uma das taras, já que as manias são outras…!).

Um texto que se repete, anualmente…

CatsuitGirls-img004

Estamos em Maio. Um mês estranho. Pelo menos na cidade do Porto. É o mês da queima das fitas. Não sei muito bem porquê mas começam a aparecer uma data de fotografias de pessoas que viveram essa época há muitos anos.

Confesso que fico apreensivo. Aliás, confesso que fico apreensivo todos os anos. Quando chega a Maio. Fico mesmo apreensivo. Nunca fui capaz de perceber qual o significado da queima das fitas para a grande maioria das pessoas que aparecem nas fotografias. Será que é o grande momento das suas vidas? Não creio. Nem quero crer pois seria muito limitativo. Mas o que é certo é que as pessoas atribuem um valor sentimental enorme à queima das fitas. Eu não acho nada disso. Respeito até o lado religioso de toda a encenação. Não poderia deixar de respeitar o lado religioso… porque faz parte de mim respeitar tudo o que é religioso… Mas depois acho que a maior parte das pessoas que aparecem nas fotografias da queima das fitas devem ter um lado oculto… Só pode ser ocultismo… Devem ter vivido qualquer uma situação qualquer paranormal… que as levou à construção de uma ideia muito rebuscada da vida… Quando, na realidade, um curso superior e a vida académica não é mais do que… mais uma experiência… de vida!

Confesso, já que de confissões se trata o texto de hoje, que tenho um preconceito enorme contra as pessoas que acham que a queima das fitas, a praxe e mais não sei lá muito bem o quê são o mais importante na vida académica (e vou mais longe… porque a palavra académica me deixa com calafrios… espirituais…). Não consigo (eu bem que tento, mas não consigo) perceber qual é o tipo de excitação sexual que advém do facto de ser licenciado. E eu acho muito bem que as pessoas estudem e consigam atingir os seus objectivos! Só que não consigo perceber o que é que isso tem de mais?

E depois ponho-me a pensar nas pessoas que conheço.

E de quem gosto.

E…

Hoje vou ouvir umas musiquinhas.

snow-white-shalom-harlow-by-francois-nars-01

Começar a escrever a ouvir Bee Gees é muito estranho. Metade já morreram. Resta um, que se vai arrastando conforme pode. E eu ouço Bee Gees. Porquê? Claro está, porque marcaram uma época. E eu gosto de épocas…

Consigo perceber todas as épocas. Não percebo lá muito bem porquê… mas o que é certo é que consigo perceber todas as épocas… Tanto se me faz que esta época seja pior ou melhor do que uma outra época. Não quero saber. Basta-me percebê-la e… ia dizer disfrutar… mas é… tipo… qualquer coisa… e o melhor é ficar por aqui.

A vontade é como as unhas. Crescem todos os dias!

tumblr_kynctoi2ee1qz78y7o1_400

Cinco cinco.

Foi há uns dias que entrei nos cinco cinco.

Não foi doloroso porque a diferença entre os cinco quatro… não é assim muito grande.

Acho mesmo que o cinco seis vai ser mais doloroso. É o caminho para o seis zero…

Oh balhamedeus!

Mas essa é uma outra conversa.

O que me interessa agora é viver os cinco cinco.

Tenho andado meio desmoralizado.

Bem que tento animar a vida com uns amigos irlandeses.

Mas não está fácil.

E não, não estou a entrar naqueles crises da meia idade!

Apenas ando desmoralizado.

Com a falta de dinheiro. Ter de pensar sempre duas vezes antes de gastar um cêntimo, que seja. E eu nem sequer sou pessoa (sim, já sou uma pessoa e não um ser humano… vá-se lá saber porquê…) para pensar no dinheiro como primeira prioridade. Não sou. Podia ser, mas não sou! Conheço muitas pessoas que pensam que o dinheiro deve ser a primeira oportunidade e sou amigo delas. Não confundo a amizade com as opções das pessoas. Porque é que haveria de o fazer? A amizade passa por outros valôres.

Mas ando cansado e muito perto de tomar uma decisão radical. Apesar de gostar muito de ir para a minha escola todos os dias, acho que passo por lá muito tempo e que poderia fazer outras coisas.

Todos os dias eu penso no desenho. No meu desenho. Não quero saber daquilo que as pessoas pensam acerca do meu desenho. Não me interessa. Apenas queria desenhar. E não tenho tempo, nem sossego para desenhar. E eu não sou nada de especial a desenhar, mas gosto de desenhar. Que se vai fazer?

Tim, de Colleen Mccullough. Já o tinha há anos e ainda bem que peguei nele.

Jpeg

“Mary Horton, solteirona na casa dos quarenta, rica, solitária, simples, acredita que não precisa de amor nem de amizade, satisfazendo-se com a sua confortável casa, o seu jardim, o seu Bentley e a casa de praia que comprou com o fruto do seu trabalho e dos investimentos realizados, com os livros que lê e a música que ouve sozinha.
Tim Melville, vinte e cinco anos, operário, é filho de Ron e Esme Melville que o receberam como uma dádiva para o seu tardio casamento. Tim tem a beleza e a graça de um deus grego, mas é um simples de espírito, uma criança grande.
No entanto, Ron e Esme, modestos operários australianos, pessoas sensatas e sem ambições, gostam dele pelo que é e preparam-no para trabalhar segundo as suas possibilidades. Tim é um trabalhador insignificante de uma empresa de construção civil, infatigável e esforçado.
Dias de trabalho pesado e fins-de-semana passados com o pai num pub e noites tranquilas junto da família, a ver televisão, representavam para Tim toda a sua perspectiva de vida.
Quando Mary encontra Tim e o contrata como jardineiro durante os fins-de-semana, uma ligação muito forte vai nascer entre eles. Mary sente por Tim o mesmo tipo de amor que sentiria pelo filho que nunca teve; Tim, em contrapartida ensina-lhe a ver o mundo de uma maneira mais simples e optimista, trazendo à sua vida solitária o calor e o afeto que lhe faltavam”.

Era suposto que o assunto fosse a religião…

Eu?

Estou a ouvir isto numas colunas fraquinhas. Não é muito importante mas gostava de poder ouvir o raio das musiquinhas num sonzaço a rasgar. Tal e qual ouço Goa Trance… mas não dá, o portátil é fraquinho, tal e qual eu. É o que se pode arranjar.

Mas isso não é importante.

O importante mesmo foi a minha rica senhora ter passado mais um nível… e agora podia-me dar para a sopeirice e acrescentar: um nível no caminho da vida… Era bonito, não era? Mas não faz o meu género… nem o da sopeira que há dentro de mim…

Hoje foi um dia potente.

Difícil.

Não podia acabar melhor.

Muita coisa ficou para trás.

Amanhã será um dia melhor, com toda a certeza!

É nestes momentos que percebemos como a vida é… puff… era… foi…

Felizmente não se foi (se estivesse a escrever numa qualquer rede social da coisa…meteria um sorrizinho à maneira…).

Ia escrever sobre religião mas acho que não vou conseguir.

É um assunto demasiado intimista e eu não consigo pensar nestes assuntos sem um tinto, do Douro, de preferência. Não é por nada. Eu até gosto dos vinhos das outras regiões de Portugal… mas todos nós temos as nossas taras e manias…

E se eu tivesse uma companheira que, hoje, substituísse a verdadeira companheira… até era rapazito para escrever umas coisas sobre religião.

Assim, a reserva que me calhou não vai dar para tanto.

E depois, amanhã, é outro dia e a reportagem que passou sobre as religiões vai deixar as suas marcas…

O espião que saiu do frio, de John le Carré. Oferecido pelas moçoilas cá de casa no meu aniversário.

Jpeg

“O Espião que Saiu do Frio”, o terceiro romance do autor, é a história da perigosíssima missão de um agente que quer desesperadamente pôr termo à sua carreira de espião: sair do frio. Neste reconhecido clássico do suspense, o mestre John le Carré mudou as regras do jogo e viu-se catapultado para a fama mundial. Este livro foi adaptado ao cinema, num filme muito premiado de Martin Ritt, com Richard Burton e Claire Bloom nos principais papéis.

A Conspiração Contra a América, de Philip Roth. Sem ser um grande livro, uma escrita notável.

Jpeg

“A Conspiração Contra a América” é um romance envolvente e perturbador. Um presidente anti-semita na Casa Branca? O que teria acontecido nos E.U.A. e no mundo se o célebre aviador de ideias anti-semitas, Charles Lindbergh, se tivesse apresentado às eleições em 1940 e tivesse derrotado Franklin Roosevelt? Partindo deste cenário hipotético, Philip Roth conta o que foi para a sua família e para um milhão de famílias judias em todo o país, a vida durante os anos ameaçadores da presidência de Lindbergh.  Num discurso transmitido pela rádio à escala nacional, Lindbergh não só tinha acusado publicamente os judeus de empurrarem egoistamente a América para uma guerra sem sentido com a Alemanha nazi, mas também, ao tomar posse como trigésimo terceiro presidente dos Estados Unidos, negociara um pacto cordial com Adolfo Hitler, cuja a conquista da Europa e cuja virulenta política anti-semita ele parecia aceitar sem dificuldade.

Obrigado ao mundo, ao meu mundo, a todos vós.

azul

Hoje tive um dia fantástico. E fantástico, nestas circunstâncias, é pouco. Foi um dia muito bom, pode ser assim? Pronto. Foi um dia do outro mundo e não se fala mais no assunto. Sempre posso acrescentar que um dia assim, nem que seja uma vez por ano… vale pelos outros todos.

Eu nem ligo a aniversários. Hoje foi o meu. E toda a gente tem o seu… nada de mais… mas gostei do meu, que posso eu fazer?

O dia não podia começar melhor. Quando saí do banho para me vestir, fui surpreendido com as minhas três moçoilas enfiadas na minha cama, entoando uma bela cançoneta de parabéns, com ritmo e personalidade próprias…

A coisa prometia.

Lá me vesti, o melhor que consegui, que esta coisa de fazer cinco cinco é muito efémera… pus um cheirinho bom, daquele que guardo para os momentos mais especiais… que a vida não está fácil… calcei a bela sapatilha florescente… para quando entrasse na escola toda a gente tropeçasse… ofuscada…

Desci, fiz um belo de um café e chamei a minhoca mais pequena para nos enfiarmos no carro e eu a deixar na escolinha. Sim, à sexta feira sou eu que a deixo à porta da escola, seja o meu aniversário ou o do presidente da república… e lá fomos numa amena cavaqueira. A sexta feira é o dia em que converso sossegadamente com a minhoca pequena e é bom, muito bom, porque aproveito todos os minutos para a ouvir antes que ela entre naquela fase em que não vai querer partilhar nada comigo… tal e qual a minhoca mais velha…

Depois de a deixar na escola, arraquei para a minha escola, tranquilo e com a música em altos berros. É motivacional… afinal tinha de me preparar para fazer os cinco cinco. Não é pêra doce fazer cinco cinco. Mas foi a pêra que me calhou… por isso… lá fui eu com a maior vontade de passar um dia inteiro na escola.

Confesso que a minha ideia de conseguir passar despercebido na escola era apenas uma vontade. Eu queria muito passar despercebido. Fico muito atrapalhado quando sou o centro das atenções. E não estou a brincar. Fico mesmo aflito quando recebo atenção. Mas entrei na escola com a esperança de que ninguém iria abrir a boca sobre o facto de eu ter de receber os cinco cinco nos braços…

Sala dos professores, oito e tal, tudo com sono e eu caladinho que nem um rato… A coisa estava bem encaminhada. Eu no meio de toda a gente, a assobiar para o ar… e lá fui para a sala.

E a coisa descambou…

Do nada, fui surpreendido com um bolo que apareceu não percebi muito bem donde e que era delicioso. E lá tive que fazer um esforço para não me emocionar, que esta coisa de fazer cinco cinco implica que me controle na choradeira. Ao fim e ao cabo já sou um cota experimentado… Mas foi um início de dia escolar muito afectivo e surpreendente. Não estava nada a contar e adorei ser mimado daquela maneira.

Ainda meio abananado, lá saí da sala (quando tocou…) e fui para a sala de professores e quando entrei fiquei parado. O dia oito de abril de dois e dezasseis coincidiu com o dia das línguas, sim, das línguas… na minha escola… e estava montada uma mesa enorme, cheia de coisas boas, dos diversos países que têm direito a língua na minha escola. Claro que nestas circunstâncias é muito difícil passar despercebido e fui brindado com mais um parabéns a você, versão adulta, com beijinhos e abraços de todos os presentes e que me deixaram, outra vez, a engolir em seco para não dar nas vistas…

Pronto. Julgava eu que os momentos de aflição estavam despachados…

Pois.

Quando tocou para uma nova aula… lá fui eu…

Entrei e… nada… não tinha alunos. Esperei um pouco, a achar que poderiam estar numa actividade qualquer. Vim até ao corredor. Espreitei a ver se apanhava algum a comer um croissant com rissol ou a beber um leitinho (eles gostam dessas coisas…) e nada. Tornei a entrar e quando me estou a sentar entram-me todos pela sala adentro com mais um bolo. Maluqueira total. Parabéns e eu a voltar a engolir em seco para não me emocionar. Fui novamente surpreendido pois foram muito carinhosos comigo e eu sou um cota, não é verdade?

E lá saí da escola para um almoço muito agradável e fofinho para depois voltar à escola e ser, novamente enganado…

Quando entrei na sala, para a última aula do dia, tudo parecia tranquilo. Convenceram-me que seria mais produtivo vermos um filmezinho sobre a matéria que estamos a dar… Um filmezinho? Como assim? Estivemos a pesquisar e encontramos um filme sobre a Cultura do Salão muito bem feito. Ok, vamos lá ver se vale a pena  mas, se for fraquinho voltamos à primeira forma. E aquilo parecia bom até ao momento em que a coisa muda radicalmente e aparecem os momentos fotográficos mais engraçados da nossa viagem de estudo a Madrid e, vá-se lá perceber de onde, surge mais um bolo de aniversário… Outra vez a engolir em seco e a controlar-me para não me virem as lágrimas aos olhos.

Eu achava que os cinco cinco seriam um marco irreversível na minha vida. Achava eu que a partir deste dia iria conseguir ser um homenzinho. Daqueles homenzinhos sérios. Que não se deixam levar por emoções. Que conseguem controlar os sentimentos. Já percebi que não vai ser nada disso. A minha vida vai continuar a ser controlada pelas emoções…

E assim foi o meu dia na escola. Um dia cheio de carinho, que me deixou sem palavras e a achar que estou no sítio certo. Que sou um priveligiado por ter tanta gente com um sentimento por mim.  Não tenho palavras para lhes agradecer.

E depois vou para casa.

Com montes de mensagens para responder e um jantar de aniversário para preparar.

Espero ter dado conta do recado… e se não respondi a alguém que teve o cuidado de me mimar, fica aqui o meu reparo pois eu esforcei-me por agradecer a todos mas… os cinco cinco começam a deixar as suas marcas…

Como não podia deixar de ser, depois do jantar, as miúdas cá de casa surpreenderam-me com um bolo de aniversário. Sim, para terminar o dia de aniversariante, nada como um bolo para cantar os parabéns. Todos os outros foram muito bonitos e especiais mas ninguém me vai levar a mal por eu achar que este teve uma dimensão inexplicável.

E assim foi o meu dia.