Está difícil, a concentração.

Será que a vida me corre bem?
Nestas coisas da idade, córenta e seis mais precisamente, dá direito a balanço.
Confesso que adoro o balanço, na verdadeira assepção da palavra (claro que não sei como se escreve assepção, mas cheira-me que é assim) que me deixa a pensar: será que o balanço é satisfatório? Pergunto eu, e mais alguém (porque esta coisa do balanço nunca é um acto isolado ( pelo menos nesta idade)); Depois há também aquela parte em que nos achamos inconfundíveis com qualquer outro ser humano, mas isso não passa de um pequeno devaneio pois , na realidade, somos mesmo inconfundíveis.
Às vezes, esta coisa do balanço deixa-nos sem palavras.
Poderia sempre dizer que iria visionar um dvd do stuart little, o que me ficava bem, mas não, apenas reconheço que o balanço ainda não está no ponto.

Leave a Reply