Concordo, mas também gosto.

“O obsceno é o fim de toda a cena pela dilatação da visibilidade até à aniquilação dos signos do real por um excesso de significante. Essas imagens de mulheres com a vulva totalmente aberta convidando-nos a ver o mais pequeno pormenor, o cromatismo variável das suas dobras, a aquosidade dos seus poros e a viscosidade dos seus fluxos, apesar de hiperreais não são necessários nem verosímeis, não acentuam o erotismo, anulam-no pela sobre-saturação dos seus signos.”

in Cunnus

Leave a Reply