Senza fare l’amore.

turtle

Pois lá se passou mais um ano. A nossa passagem de ano foi muito agradável e tranquila. Fomos a casa de uns amigos e tivemos sentados à mesa a conversar e só nos levantamos para fazer o tal brinde e para desejarmos um bom ano. Aquelas coisas que se fazem. O engraçado é que quase nem reparavamos na dita hora pois estavamos a jantar e só demos conta por causa do excessivo barulho de uma televisão que estava ligada. Não fosse o raio da televisão e teríamos passado ao lado.

Mas foi muito bom e, pela primeira vez, a minhoca mais pequena conseguiu aguentar acordada apesar dos olhitos piscos. A outra minhoca esteve acordada até ao nosso regresso, que foi por volta das quatro, o que constituiu um record… enfim vivências de uma família que não interessam ao menino jesus, só mesmo a mim e à mãe delas.

Por falar em mãe delas, há uma coisa que me esqueci de fazer nesta noite de entrada num novo ano: o amor. O tal, o do gostinho especial. Não sei como é que isto foi acontecer, mas acho que nos esquecemos mesmo da coisa e tal. Serão pronúncios dos tempos? Não quero nem pensar! Terá sido o cansaço? Terão sido os inúmeros copos bebidos durante todo o jantar? Não quero nem saber. Que venha o diabo e escolha. Só sei que fiquei sem fazer o tal de amor e isso é que não está certo.

1 thought on “Senza fare l’amore.

Leave a Reply