Ainda levo um tiro.

 

Escrever sobre pistolas é sempre um pau de três bicos. Posso ser confundido com um personagem qualquer de banda desenhada assassina. Mas não consigo deixar de achar piada a uma pistola destas. Não consigo perceber o meu fascínio por tal objecto. E volto a dizer, se é que já o tinha dito, que não sou nada a favor da proliferação de armas, muito pelo contrário, acho que o acesso deve muito controlado. Continuo sem perceber o porquê, até porque, quando fiz a tropa, no ido ano de 1982 (sim, a maioria das pessoas que eu conheço estava a entrar no ciclo preparatório… nem c+s havia…) e quando tinha que ir para a carreira de tiro, pegava nas armas e disparava à toa, sem me preocupar com a pontaria. Fazia isto por duas razões: a primeira era porque não achava piadinha nenhuma ter de disparar não sei quantos tiros para acertar num alvo. A segunda era mesmo para ficar logo excluído do grupo dos melhores e não ter de prolongar aquela treta. Claro está que, nesse tempo, fui obrigado a ir para a tropa durante um ano e meio, o que foi uma grande seca, mas já passou. Não acho que mudei a minha opinião sobre o assunto, mas acho graça ao objecto e, se pudesse ter uma réplica de plástico, acho que era capaz de gastar o meu dinheirinho numa. Ehhh.

Leave a Reply