Quase que ia desta para melhor.

 

Há pessoas, e desta vez calhou-me uma do sexo feminino, que não deviam andar na estrada. Ora porque sofrem de miopia, ora porque são completamente incapazes de dominar um veículo motorizado, ora porque são nervosas e se atrapalham, ora porque são absolutamente cretinas e mal formadas. Há uma verdadeira panóplia de condutores. É pena que assim seja, pois as regras de conduta numa via pública deveriam ser respeitadas por todos. Depois ainda temos algumas especificidades no total desrespeito que se vai verificando. São os peões que são atropelados nas passadeiras, são as crianças que viajam soltas dentro do carro e são as motas que nunca devem ter o direito de exercer a sua prioridade. Só para citar estas. Claro que o que se passou comigo hoje está relacionado com a minha bela Scarabeo. Não consigo entender como é que o raio da gaija me ultrapassa com chuva (eu ia a cento e vinte), se mete à minha frente com apenas um metro de distância e começa travar porque reparou que tinha de virar para a saída da direita… Se eu fosse distraído, tinha ficado ali estendido, mesmo assim tive de travar a fundo como nunca tinha feito e apitei, apitei, apitei tanto que a pobre da buzina deve ter ficado rouca. Desconfio que se o carro tivesse parado eu era capaz de me passar e começar à biqueirada à lata. É que ainda por cima a gaija começou a refilar comigo como se tivesse razão e eu tenho a certeza que ela não faria nunca o que fez se estivesse a ultrapassar outro automóvel. Existe um pensar muito português que acha que as motas devem esperar, se devem encostar à berma, nem que isso represente uma queda para o desgraçadinho do motociclista. Digo desgraçadinho porque há muito boa gentinha que associa o facto de andar de mota às classes menos favorecidas e que vão trabalhar de mota porque não conseguiram o guito necessário para comprar a bela da lata. É o país que temos.

4 thoughts on “Quase que ia desta para melhor.

  1. Tomás

    O problema é que para muitas (mas mesmo muitas) pessoas o código de estrada resume-se ao modo como conduzem e a prioridade é sempre a dele.
    Para além de termos de levar sustos de morte temos que levar com a estupidez e má educação deste refugo de gente.

  2. Telmo

    Se tivesses perto dos 50 se calhar não tinhas reflexos para teres travado dessa forma… vê a coisa pelo lado positivo…

  3. carla cerqueira

    Que susto e tanto…como já me disseram uma vez ganha quem tem mais lata!
    Deves ter ficado com stress para o resto do dia mas deixa lá isso para trás.
    O que falta ás pessoas é poder de antecipação e um pouco mais de calma.

    Bjs

Leave a Reply