Fiat Panda do meu coração.

A minha relação com os carros é muito superficial. Não percebo muito de marcas e modelos. Tenho algumas noções básicas de como funcionam, de alguns cuidados a ter e pouco mais. Não acho que a minha vida deva ser condicionada por um automóvel e é impensável perder muito tempo à volta do carro. Devem-se contar pelos dedos de uma só mão as vezes que lavei um automóvel. Eu sei que aquela visão fantasmagórica da camisola caveada, o balde numa mão e a esponja na outra, com a barriga proeminente vai ser o meu futuro, mas até lá ainda tenho muitas coisas com que me preocupar e para fazer. Estou com esta treta toda, mas cada um é livre de comprar o balde mais bonito e a esponja mais fashion. Portanto, cada um tem as suas prioridades. Também há quem se reveja nos automóveis e que faça deles um apêndice sexual. Há muito boa gentinha que faz do automóvel uma ferramenta de engate, que impressiona pela sua potência ou beleza e eu também não tenho nada contra, pois cada um desenrasca-se como pode. Enfim, o automóvel dá para tudo e de certeza que todos nós conhecemos alguém que pode não ter mais nada em casa, mas tem uma bomba na garagem, que lhe confere status e uma imagem de sucesso. Lá está, são as prioridades. As minhas são outras. Mas voltando aos automóveis, tenho consciência de que é um mal necessário e, como tal, também eu preciso de andar enfiado num carro, para ir buscar as minhas minhocas, para ir ao supermercado e para todas essas necessidades que uma família comum tem. Mas gosto de fazer pelo mínimo. E o mínimo para mim é ter um carrito pequeno que gaste e polua pouco, mas que me sirva para aquilo que eu quero. Tanta coisa para chegar aqui. Eu gosto é do Fiat Panda. É uma paixão antiga. Não sei se algum dia irei ter um, mas que adorava, lá isso adorava.

4 thoughts on “Fiat Panda do meu coração.

  1. admin Autor do artigo

    Não é encarnado… é vermelho… foi a cor que se arranjou:)) O meu preferido é azul bébé:))

Leave a Reply