Deves-te julgar, deves…

Porque será que as pessoas funcionam sempre em função das suas necessidades? Alguém me consegue explicar este mistério? É que eu não consigo perceber como funciona esta coisa do mundo girar à nossa volta. Também não consigo entender como é que eu (por vezes…) me deixo enredar nas teias do nacional girismo/centrismo/voltismo. Devo ser humano, digo eu. Mas custa-me assistir a situações deste género. No meu dia a dia, farto-me de lidar com situações destas, em que as pessoas perdem a noção da realidade, daquilo que as rodeia e do valor relativo que as coisas têm. Já nem falo daqueles que possuem características estranhas, do género uma auto-estima elevadíssima, porque esses são casos perdidos ou de difícil resolução. Não, nada disso. Estou mesmo a falar do comum dos mortais. Daqueles que pensam em função da aplicação prática ao seu universo, às suas necessidades imediatas e aos seus interesses. E é desses seres humanos que eu me canso. Não sei o que se passa comigo, mas tem sido assim. Será que é a andropausa a bater à porta? Tinha a sua piada, mas acho que ainda é cedo, apesar de eu ter sido sempre precoce…

Leave a Reply