Marrocos. Chique a valer – parte III.

Voltando para a beirinha da piscina. Marrocos está realmente a crescer. Apesar de todos os dias vermos na televisão imagens de manifestações, um pouco por todo o Magrebe, aquele país está tranquilo. Explicou-nos o nosso guia que as mulheres Marroquinas gostavam muito do Rei e, ao contrário dos outros países, não espicaçavam os homens da casa para que estes se revoltem. Pareceu-me uma explicação plausível porque veio de um rapaz novo que, apesar de beber álcool e gostar de dançar, não conseguia discutir certos assuntos com as nossas damas. As mulheres daquele país têm um papel duplo. São submissas às leis e costumes do país, mas conseguem ser manipuladoras ao ponto de conseguirem que os homens façam o que elas querem. Não muito diferente das nossas damas…

Mas voltando ao crescimento de Marrocos. Nota-se um alto índice de construção, planeado e muito agradável à vista, com aquela largura e espaço que nos esmaga se compararmos com as nossas cidades. Estou a falar da parte nova de Marrakesh, claro está, mas que não é feita exclusivamente de hotéis e resorts, tem também muita habitação. Quem lá vive, não sei porque não fui bater às portas, mas sei que há muito Marroquino e Marroquina com um ar perfeitamente ocidentalizado, em altas máquinas e frequentadores de espaços super-modernos. Tem isso tudo, mas também tem o outro lado, o da Medina, tradicional e chocante aos olhos de um ocidental. Digo chocante porque tem mesmo alguns pormenores que mexem com qualquer um. Desde a miséria que se vai vendo pelas ruas, às condições em que trabalham, o que comem e como comem, os fundamentalistas que não dirigem a palavra às mulheres ocidentais e, o mais difícil de contornar, a permanente sensação de que se está a ser enganado em todas as lojas e em todas as situações. Tem esse lado complicado, de ter que se discutir sempre o preço, de tudo e mais alguma coisa e que é um pouco desgastante. Após uma conveniente adaptação a tudo isto, dá para reparar que é um povo tranquilo, que vive pacificamente com aquilo que tem, nada agressivo no trato e com um potencial de crescimento muito grande. Daqui a uns anitos vão deixar o nosso ALLgarve a léguas.

2 thoughts on “Marrocos. Chique a valer – parte III.

Deixar uma resposta