Não devia ligar a televisão.

A vida em Portugal, e não só, está difícil. O dinheiro está ficar curto e vai ficar ainda mais curtinho, assim, tipo, rastilhinho que se queima num abrir e fechar de olhos. São cortes e mais cortes nos serviços a que estamos habituados. São mais impostos, de todos os géneros e feitios. Enfim, a coisa está a ficar preta. Ainda estou de férias (pelo menos ainda temos direito a férias…) mas, de vez em quando, lá vou assistindo a uns telejornais. Hoje acabei por ver um telejornal. Dizia o senhor jornalista (principescamente pago…) que não percebia porque é que a aplicação do iva tinha tantas disparidades. Como é possível que as piscinas para os miúdos aprenderem a nadar paguem iva à taxa máxima e os bilhetes do futebol paguem a taxa mais reduzida (e eu gosto de futebol e tenho as minhocas na piscina…)? Como é possível o golfe só pagar a taxa mínima? Como é possível as touradas (esse espetáculo hediondo e primitivo) ser taxado pelo mínimo? Há uma data de exemplos que  não fazem sentido e não se percebe a falta de coragem para os responsáveis pelo país alterarem as coisas. Eu percebo que existem muitas razões para não mexer nisto ou naquilo, mas numa altura em que o país está a atravessar uma grave crise, deveriam ser dados sinais claros de existe moralidade e, apesar da receita que estas atividades  geram ser pequena, seria muito moralizante saber que os interesses do país estão em primeiro lugar. Mas parece-me que vai ser mais do mesmo… a eletricidade e o gaz dão mais guito…

Leave a Reply