Estás a ver, pah. Yah, percebes?

Por vezes fico de boca aberta. Bem aberta. Por motivos que podem não ser “reais” ou “normais” para as outras pessoas mas que para mim fazem todo o sentido. Estava eu a preparar o jantar quando começa a dar uma entrevista na televisão sobre um grupo qualquer de música que está há não sei quanto tempo em primeiro lugar numa qualquer tabela de músicas. Sinceramente não estou a par destas tretas e nem quero estar. Mas adiante. A rapariga, que é ao mesmo tempo a vocalista e porta-voz da “banda” falava daquela maneira estranha. Explicava tudo muito bem, sempre com o tu para aqui e o tu para acolá. É um tipo de discurso que, só de o ouvir, me faz ficar com os pêlos (os poucos que tenho) eriçados. Não aguento tanta necessidade de se fazer entender pela via da fraternidade… Também me podia dar para outro tipo de manias, com tantos problemas no país, tinha logo que pegar neste tipo de insignificâncias…

Leave a Reply