Nem sei que lhe diga, nem que lhe faça…

É o que dá andar de scooter, lentamente, por estas estradas nortenhas. Hoje, quando ia para a escola, pela estrada nacional, que as portagens estão mais do que caras, seguia na minha distração habitual, a ouvir música, quando reparei num rapaz (de vinte e poucos anos) que seguia numa carrinha comercial (seguia é uma forma de expressão porque estava parado na fila… no sentido oposto ao meu…) e que mexia com um dos braços e com a mão à frente da cara. Nestas situações faço sempre um esforço para me concentrar e tentar perceber o que se passa. Lá consegui apurar o meu sentido de observação e consegui perceber o que o rapaz estava a fazer: estava a fazer uma cena religiosa que eu não sei o nome ao certo mas que lhe costumo chamar de pelo sinal de mais qualquer coisa. Fiquei… não diria estarrecido, porque também não é para tanto, mas  um tanto ou quanto desconcertado. Não com o que o rapaz estava a fazer, apesar de achar incrível que as pessoas rezem logo pela manhã e logo numa fila de trânsito… pois cada um sabe do que é capaz… mas não foi por causa disso que fiquei mesmo a pensar no assunto. Foi mais porque é um gesto que eu costumo fazer na brincadeira, quando estou a gozar com as cenas religiosas… e nunca me tinha apercebido que se há pessoas capazes de estar numa fila a fazer o pelo sinal, também deve haver aquelas que se ofenderam comigo por estar a gozar com as cenas religiosas. Não era minha intenção! A todas peço o meu perdão e a todas desejo um grande bem haja.

Leave a Reply