Adília Lopes.

Rosa dentro da rosa dentro da rosa

azulejo iluminura filigrana

joelhos nuca sovacos unhas

não quero quebrar

o dom de estar viva

a doçura dos mistérios

o dom do teu corpo

o teu cheiro a tua voz

o teu olhar o teu sorriso

as minhas lembranças de ti

beijo repetidas vezes

a tua boca fechada

estás debruçado sobre mim

e sorris-me

somos bons um para o outro

posso ter filhos de ti

sabemos isso

 

in Obra.

2 thoughts on “Adília Lopes.

  1. boss

    Deus, que miséria … tão pouco franciscana.
    Nota (ou a teoria da universal capacidade da construção pseudopoética):
    A comer salada, salgada, salteada,
    na doçura do mel, do figo.
    Dedos acetinados na curva do cotovelo
    abrem lábios cerrados, de amor truncados.
    Sinto-me ruir, derivar, os pulmões estilhaçados
    Mas capaz de viver em ti, morando fora.

Leave a Reply