Eles andam por aí, atentos, atentíssimos!

Não é novidade para ninguém que o país está mal. Não está mal, está péssimo. Estamos carecas de ouvir e ver manifestações de descontentamento por parte de quase todos os sectores da vida portuguesa (excepto do senhor borges e do senhor cavaco…) mas há sempre uns que se consideram mais do que os outros. Há dois dias atrás (tenho andado tão radiante com o lançamento do livro que até ando atrasado nos comentários às notícias…), vi e ouvi na televisão um senhor militar muito indignado, quase com os cabelos em pé, a afirmar que os seus camaradas estavam a ficar muito revoltados com tudo o que se está a passar no país e que não estava muito confiante que as coisas ficassem por aí… Num tom velado, fez uma ameaça real aos responsáveis do país… como quem diz, se isto continua assim, somos bem capazes de pegar nas armas e fazemos uma maluqueira. Eu não tenho nada contra os militares como também não tenho nada a favor, apesar de achar que gastam demasiado dinheiro dos contribuintes em brinquedos que não são adaptáveis às realidades e necessidades deste pequeno país. Mas adiante. O que me chocou no raio da notícia do senhor com os cabelos em pé, foi o ar de vaca sagrada com que falou. Afinal não estão todas as classes profissionais a ser afectadas pela crise? Porque raio de carga de água é que os militares devem ser considerados mais do que os outros. Aquele discurso mexeu comigo. Afirmarem que a sua honra e dignidade estava a ser ofendida e que isso é intolerável encheu-me as medidas. Os outros bem podem ficar todos rotos, de rastos, com fome, no meio da rua, que isso não interessa para nada, que se lixem… agora, mexer com a dignidade e a honradez dos militares… isso é que não pode mesmo ser… e muito cuidadinho senão ainda levamos um tiro no rabinho… ou pior, ainda somos obrigados a dar um passeio num dos submarinos novos, para vermos os peixinhos… Haja paciência!

Leave a Reply