Não tenho pachorra!

A dita comunicação social tem um poder muito grande. Pode influenciar opiniões, derrubar presidentes e até os eleger, se estiver para aí virada e tirar proveito disso mesmo. É uma classe profissional como outra qualquer. Tem bons e maus profissionais. A diferença está em que nunca dão destaque aos maus profissionais. Não fazem notícia com um tema desses…  pelo menos eu nunca vi ou li qualquer reportagem sobre o mau jornalismo que se consegue fazer em Portugal. Eu é mais bolos, os jornalistas é mais fazerem reportagens sobre o bom jornalismo que se faz por cá. Eu percebo que seja legítimo e natural que só se dê ênfase às coisas positivas. Venho eu com toda esta treta porque há uns dias atrás houve greve da Lusa e do Público, contra despedimentos e cortes. Aquilo atingiu uma proporção de calamidade nacional, que às tantas já se falava num verdadeiro atentado à liberdade de imprensa… Como é evidente, não posso ficar contente com um despedimento sequer, seja ele em que área for, pois é mais uma pessoa, uma família, que vai sentir dificuldades para se conseguir manter à tona. Mas estes senhores jornalistas não são mais do que os milhares de outros profissionais, de outras actividades, que diariamente são despedidos. Numa altura em que o povo português está contra esta classe política que nos tem governado ao longo de tantos e tantos anos, onde é que está o verdadeiro trabalho jornalístico de investigação? Onde é que está o dedo na ferida? Onde é que está o ser inconveniente para com o poder? Não está e não se vê! Os tempos não estão para isso. Há que conservar o emprego. Também percebo, mas não se arroguem em perseguidos nem julguem que são portadores de honestidade moral e ética acima de qualquer outro português.

Leave a Reply