Carlos Moedas.

tattoo-baby

Só pelo nome, já dá para desconfiar. Moedas? Nem o Tio Patinhas se lembraria de um nome assim… é um raio de um nome que deixa ficar mal quem o tem… O dinheiro é uma cena mal vista. Quem gosta muito de dinheiro é mal visto. Não sei se é geral… mas eu acho, e é só um “supônhamos”, que quem gosta muito de dinheiro não deve ser boa pessoa (também não vou comentar que quem não gosta de dinheiro é lerdinho…). Simplesmente acho que o dinheiro é importante mas que devemos ter ética para o conseguir arranjar. Digo isto porque existem vários tipos de assaltos ao dinheiro. Há o assalto à mão armada; o de colarinho branco; o do vigarista que aldraba o mais inocente e por aí fora até chegarmos ao assalto legal. Aquele que é perpetrado por quem de direito que, no nosso caso, são os governantes, legitimamente eleitos pelos portugueses. É engraçado, não é? Eleger uma cambada de tipos que nos vão limpar os bolsos… Mas adiante  que a conversa está a ficar muito emaranhada. Voltemos pois, ao Moedas. Quem não conhece o tal senhor, de seu nome Moedas? Está na berra. Dizem que é a eminência parda do regime, mais concretamente do nosso primeiro, que gosta de o ouvir. Já repararam bem na personagem? Bem sei que a competência não se mede aos palmos, nem tão pouco pela aparência, mas o homem é, no mínimo, insignificante. Parece que anda sempre em bicos de pés, para chamar uma atenção qualquer que anda perdida no ar… Dizem também que, para além de pardacento, é uma barra académica e que é um geniozinho, ou seja lá o que isso quer dizer… Também circulam, nas redes sociais, informações sobre os seus interesses económicos, as suas ligações a grupos da alta finança e a uma data de cenas que os políticos gostam de fazer de conta que não é nada com eles. Adiante. O personagem pode ser tudo o que quiser que ninguém tem nada que ver com o assunto. Mas o personagem não pode ter atitudes menos dignas para quem o pôs lá. Isso é fatal. O personagem não pode apresentar um pretenso relatório do fmi com a maior  das descontrações, sorrindo, achando que está perante uma cena sagrada, que deve ser respeitada e seguida pelos mandatários do povo português… Isso é mau, muito mau para quem está a ouvir  e a ver! Bem sei, e todos nós sabemos, que esta “ocorrência” já foi há mais de quinze dias e, por isso, já não é actual mas ainda fiquei à espera que o personagem corrigisse o tiro… Qual quê? Fez ouvidos de mercador e meia bola  em força, porque para a frente é que é o caminho. É mais um da extirpe do Relvas, só que em versão guito…

Leave a Reply