Sábado, ao princípio da tarde:

2373448

E hoje é dia de silêncio, de reflexão, dizem os arautos da democracia. Neste dia devemos fingir que não existimos. Devemos fazer de conta que os problemas não existem. Fica-nos bem acatar este tipo de considerações. Amanhã será o dia de todas as oportunidades. Para uns. Para outros será o início de um verdadeiro ciclo de luta. Luta pela honestidade, pela generosidade, pela causa pública, pela defesa da igualdade de oportunidades.

Reconheço, e qualquer um lá chegará facilmente, que o termo luta está pomposamente encostado às ideias esquerdistas, se assim lhe podemos chamar. Eu não acho nada disso. Acho é que a esquerda se apropriou desmesuradamente do termo “luta”. Todo o ser humano deve lutar, certo? Lutar por ser honesto. Lutar para que não haja sofrimento humano. Lutar para que as crianças tenham direito à educação e ao bem estar. Lutar para que os nossos velhos tenham um final de vida condigno. O que é que esta luta tem a ver com esquerda ou direita? Porque é que quando se fala em luta a reação dos comuns dos mortais é… lá vem este com a treta comunista… esquerdista… e que temos que ser todos iguais…

Há um problema de comunicação. Evidentemente. E não é uma questão de fingimento, do género: “vamos mudar o discurso para conseguirmos enganar e chegarmos à mesma ideia”. Acho que esse tipo discurso é idiota. Os tempos mudaram. As necessidades das pessoas também. Os meios de comunicação também. Os tempos mudaram, mesmo! Trazer um pouco de pragmatismo ao idealismo… não me parece mau de todo…

Leave a Reply