Escrito há quinze dias… e ficou a meio…

Boys don`t cry . Esta coisa de estar em casa há tanto tempo tem mexido com uma parte do cérebro. Ainda não sei a extensão da mexida mas que tem mexido, lá isso tem. Apenas consigo identificar alguma inércia. Fico danado com o facto de, por vezes, não ser tão perspicaz e activo como gostaria. Não é que seja lá muito perspicaz e muito activo por natureza mas como tenho tempo para pensar gosto de imaginar que o sou. Não é por nada. Mas gosto de me entreter a pensar na vida, na vidinha. Na minha vidinha, porque a dos outros não me diz respeito e quem sou eu para opinar sobre o que as outras pessoas pensam/dizem/escrevem/pintam/cantam ou lá o que quer que seja. Sou pequenino. Mas tenho uma certeza. Somos todos pequeninos. Estamos todos, ou quase todos, enfiados em casa com medo de morrer, a pensar que a vida é tão efémera e que a devemos aproveitar ao máximo. Bem sei que as generalizações são perigosas mas se não for o caso então estou muito enganado acerca do sentido da vida… Oh my god, que só me consigo lembrar da Vida de Brian.

Adiante.

Tenho andado a pensar na minha vida passada. Não quero saber de planos para o futuro. Tenho andado às voltas com o meu passado. Não tenho a percepção que o mesmo esteja a acontecer com as outras pessoas. Frequento algumas redes sociais e não me tenho apercebido deste tipo de preocupações. Também não quero saber, nem me interessa por aí além aquilo que as pessoas pensam em determinados momentos da vida delas e da minha vida. Os tempos são muito personalizados e raramente coincidentes, por isso não há necessidade de fazer grandes filmes sobre o impacto que aquilo que escrevemos tem nas pessoas que nos rodeiam. Já li tanta coisa que na altura em que li não representou nada, nem tiveram impacto na minha vida, e que passados uns tempos tive a oportunidade de reler e aí foi completamente diferente. Acontece. Frequentemente.

Adiante.

Quem nunca “botou” a mão na consciência e ficou a pensar nos períodos menos bons da sua existência? Eu “boto” muitas vezes a mão na consciência. Também “boto” a mão em muitos outros sítios. Uns mais prazenteiros e outros nem por isso. Mas, sim, eu já magoei muitas pessoas. Bem, também não foram assim tantas. Mas as que magoei foram importantes para mim. E nesta altura do texto, convém explicar que a palavra “importância” também não pode ser considerada uma atenuante. São pessoas para as quais até posso nem sequer ter sido importante para elas e por isso aquilo que é importante mesmo, pelo menos para a minha consciência, é que as magoei enquanto seres humanos. Está a ficar tudo muito rebuscado. Aliás, essa é uma característica do ser humano. Complicar. Rebuscar. Tudo para conseguir encontrar um caminho suave. E eu não sou mais do que os outros seres humanos.

Deixar uma resposta