Pode não ter interesse. É sobre a minha vida.

Meio litro de cerveja. Fresquinha e a borbulhar. Depois de duas horas ao sol, a torrar, não há nada melhor do que uma cerveja muito fria. Nos dias anteriores andei a beber limonada. Também não desgosto. Mas hoje… hoje estive ao sol e a ouvir música. Música dos anos oitenta. Sim, toca a todos. Momentos de nostalgia, quem nunca os teve? Pois, bem me parecia. Mas adiante. Como trabalhei da parte da manhã, agora a ideia era mesmo esticar-me na espreguiçadeira e ficar por ali a ouvir música. O problema consistia em conseguir ter acesso às músicas que me apeteciam ouvir. Nada de muito especial (Cure, Cramps, Sound, Carmel, Virgin Prunes, Fall, Phsycadelic Furs, Cult, Talking Heads e por aí fora) e a solução foi o Spotify, o dos tesos como eu, com publicidade pelo meio e que só dá mesmo com acesso à internet. Para já foi assim, depois logo se verá se vale a pena passar para a conta premium.

E gostei. Aliás, gostei muito de estar ali esticado, com os phones, alheado do mundo e a pensar na minha vida. Na minha vida desta altura. Eu não posso dizer que tive várias vidas, como os gatos. A minha vida é que teve várias vidas, todas elas muito boas. Do passado ao presente, não me posso queixar pois sou um ser humano com muita sorte na vida. E não estou a falar de dinheiro ou sucesso social ou o que quiserem chamar. Estou mesmo a falar da vida, vivida com intensidade e sempre muito bem acompanhado por pessoas que me marcaram intensamente. Praticamente não tive momentos negros na minha vida. Tirando a morte do meu pai, não me lembro de nenhum período mau e a vida foi sempre decorrendo com maior ou menor dificuldade (sim, eu nunca vou ter uma vida desafogada em termos financeiros) e tudo se foi compondo com o tempo. Mas voltando atrás, esta vida vivida nos anos oitenta, foi uma rica vida.

Eu nasci em 1961, sim esse número mágico que se lê das duas maneiras: direito e de pernas para o ar. E quem não sabe, o próximo ano em que tal voltará a acontecer será o de 6009, um pouco distante mas que, para aqueles que acreditam na reencarnação, poderá vir a ser o seu ano de eleição… Mas o meu ano de nascimento basta-me para saber que a minha vida vai ser uma vida em cheio… Quando fiz vinte anos era um rapaz que corria, saltava barreiras e era bom naquilo. Só fazia atletismo e sonhava fazer vida daquilo. Era treino pela manhã e novo treino pela tarde. Raramente faltei a um treino e era, como ainda sou hoje, muito disciplinado e organizado nas tarefas que me proponho realizar. Não parece, pois não? Mas sou. E podia ter ido longe se não fosse um conjunto de circunstâncias que me deixaram desapontado e saturado (fui obrigado a ir para a tropa, treinava na terra e tinha que ir a Lisboa para correr na borracha…e não evolui por causa disso tudo) e desisti. Não me arrependo de ter desistido. Trabalhei como fiel de armazém na Pelikan, a das canetas, e que já não existe. De seguida fui para Londres, trabalhar. Regressei e estive um ano na companhia de teatro “Os Comediantes” que me encheu as medidas pelas diversas experiências que vivi, de terrinha em terrinha (Portugal e Espanha), a montar e desmontar o espectáculo, a viver com pouquíssimo dinheiro, mas feliz. Foi nesta época que foram lançadas as bases do meu primeiro casamento… conheci a artista plástica Isabel Padrão, que nesta altura ainda era estudante, e casamos uns anos mais tarde. Não durou muito. Foi mesmo um casamento curto. Coisas da vida. Foi um relacionamento completamente diferente de todos os que tinha tido pois passei a ter contacto com um outro mundo, completamente desconhecido para mim. Já não me bastava ter tido aquela vivência arrebatadora do mundo do teatro e passei para o mundo dos artistas plásticos, com as suas taras e manias… como canta o nosso Marco Paulo…

O que é certo é que com estes abanões todos a minha vida lá foi continuando, sem grandes pressões, um bocadinho para onde estava virado e consoante as necessidades. Fui novamente para Londres fazer um dinheiro, fui não, fomos os dois e depois eu ainda fiquei por lá mais uns tempos, sozinho, para voltar e começar a trabalhar numa secretaria de uns Bombeiros Voluntários, como escriturário… sim a vida dá muitas voltas e estive por lá três anos. Pelo meio entrei em Belas Artes, para tirar Pintura, estudava de dia e passei a trabalhar nos Bombeiros à noite, todos os dias até à meia noite. Às sete e meia da manhã já estava a apanhar o autocarro para chegar às aulas às oito e meia. E sim, raramente cheguei atrasado porque sou disciplinado… e não gosto de dormir muito, por isso, saltar da cama não me custa.

Nesta altura, com vinte e tal anos, achamos que temos o rei na barriga e o mundo aos nossos pés. Era um rapaz um pouco extravagante. Tanto andava com o cabelo todo esticado para o céu, como cheio de brilhantina. Tanto usava umas calças coloridas com um blazer aos quadrados que não correspondia minimamente, como andava de preto ou fato e gravata. Era para onde estava virado. E eu virava-me bem. Não tinha, nem tenho, manias, mas já nessa altura me esforçava por não julgar ninguém por aquilo que aparenta mas dava-me gozo aparecer desalinhado… coisas da juventude. E dançava. Dançava como se não houvesse amanhã e da maneira que só um corpo jovem, atlético e saudável consegue. E vibrava com as músicas… que estive a escolher hoje… daí a nostalgia. E não é que ache que ser nostálgico seja mau. Para mim sempre foi bom recordar o que vivi pois não vivo preso ao passado.

Leave a Reply