À solta.

É tão bom andar descalço, em casa, claro. Na rua não consigo. Já na terra é outra coisa. Eu lembro-me de andar descalço na terra mas já foi há umas décadas valentes. Adorava chegar a casa e meter-me na banheira, completamente cheio de terra, dos pés à cabeça, literalmente. Agora há uns movimentos, com uns nomes que eu nunca vou conseguir fixar, que transmitem a ideia que devemos andar descalços na terra para sentirmos umas energias… e tal… para nos encontrarmos com… não sei quem… e tal…

É bonito saber que existem pessoas que comungam estas ideias mas eu comecei o texto a falar de andar descalço porque durante o período de confinamento, sempre que alguém saía à rua para fazer algum tipo de compra de bens essenciais, quando chegava a casa deixava os sapatos à porta. Quem nunca? Acho que noventa por cento das casas portuguesas tiveram um amontoado de sapatos junto à porta de saída durante este tempo todo de confinamento e que ainda hoje continua. Os portugueses que têm espaço em casa, com um hall de entrada generoso o que é que fizeram? Investiram numa sapateira, certo? Nas redes sociais só viam modelitos de sapateiras… umas mais apetitosas do que outras. Umas coloridas, outras em madeiras nobres. Algumas sofisticadíssimas e outras feitas com os materiais que estavam mais à mão. Enfim, foi uma ideia que se disseminou e, na minha opinião, ainda bem porque às vezes somos mesmo altamente influenciáveis pelas redes sociais e, neste caso, cá em casa deixamos entrar a ideia muito facilmente. Já andávamos saturados de trazer a rua nos sapatos, cá para casa. Vai daí, encomendamos uma sapateira, daquelas normais, com espaço para dezasseis pares. Somos quatro cá em casa e cada um vai gerindo o espaço que tem disponível na sapateira da casa. É uma sapateira comunitária mas com hierarquia. O pai e a mãe, mais velhotes, têm direito a ficar com as duas prateleiras de cima e as crias, possuidoras de uma pujança lombar muito superior à dos progenitores, ficaram com as prateleiras mais abaixo. E a coisa tem corrido muito bem. Para além da rua ficar à porta, andamos mais tempo descalços, com os pés mais soltos, o que é fantástico. Não é que a infância retorne mas, com as mazelas próprias da idade, sentir os pezinhos soltos e bem apoiados…não tem preço.

Leave a Reply